quinta-feira, 13 de setembro de 2018

Curso Tecnólogo em Recursos Humanos: Vale a pena fazer?

Antes de começar qualquer formação profissional, é preciso ponderar quanto a utilidade do curso no mercado nos dias presentes. A área de Recursos Humanos, por exemplo, é sempre muito procurada pelos estudantes. Mas e quanto ao curso tecnólogo em Recursos Humanos: vale mesmo a pena? Se você está buscando esclarecimento em relação a esta área e quer descobrir se ela vale a pena ou não, leia o texto a seguir e descubra.

Vale a pena fazer o curso?

O tecnólogo desta área irá ser responsável pela gestão das pessoas na empresa. É o profissional da área de RH que irá selecionar, avaliar e criar táticas operacionais para os funcionários da instituição que servir. É inclusive papel deste funcionário, o treinamento de novos empregados, assim como a análise de estrategias. Mas vale a pena mesmo ingressar neste curso?

Bem, os cursos superiores de tecnologia têm ganhado muito espaço na educação, isto porque seu tempo de duração é menor, assim como o custo de suas mensalidades, que são compensatórias. Estes fatores são pontos positivos, mas a graduação só vale a pena se a pessoa tiver um foco específico no mercado de trabalho, já que os tecnólogos são direcionados para áreas singulares.

Então, para quem quer adquirir uma formação rápida, a área de Recursos Humanos pode ser uma boa opção, já que as empresas precisam dos profissionais do RH para funcionar bem.

Onde posso fazer?

Se o tecnólogo de Recursos Humanos é para você, saiba que existem diversas oportunidades com custo econômico e descontos imperdíveis. Uma boa opção para quem quer começar um curso em breve, é o Educa Mais Brasil 2019.

A inciativa permite descontos de até 70% nas melhores instituições particulares disponíveis. Os alunos interessados devem acessar as inscrições Educa Mais Brasil. A inscrição é online! Basta você acessar o site oficial do programa e visualizar a oferta de cursos para a sua região. Quando encontrar a melhor opção para você, realize a sua matrícula através da plataforma digital. Você deverá pagar a primeira matricula integral e as próximas receberão o desconto contratado.



Uma outra opção é acessar a oferta de vagas do Pronatec, uma inciativa que permite a acesso a bolsas gratuitas para quem não pode cumprir os custos da formação. Verifique os requisitos do programa e inscreva-se para garantir a sua formação em cursos de qualidade. O Pronatec lança periodicamente oferta de vagas em diversos cursos. Encontre o seu e concorra a uma bolsa!

terça-feira, 10 de julho de 2018

Vale a pena ter uma previdência privada? Como funciona?

Desde quando o Governo Federal anunciou a proposta para a reforma da Previdência muita gente vem procurando, como uma alternativa, os planos particulares desvinculados ao INSS.

Se você começou a planejar seu futuro, e também está pensando em investir em uma previdência privada é bom estar atento as condições propostas e saber se realmente vale a pena.



Pensando nisso, separamos os principais pontos de como é e como funciona a previdência privada para que você fique por dentro de tudo.

O que é?

A previdência privada nada mais é do que uma forma de seguro, ou seja, um plano de aposentadoria complementar à previdência social, ligada ao INSS, do Governo.

Também conhecida como previdência complementar, esse “seguro” propõe a garantia de uma renda futura ao titular ou ao seu beneficiário enquanto ele estiver aposentado ou em caso de invalidez (se estiver previsto no contrato).


Na realidade, a previdência complementar é muito semelhante a investir em um fundo de investimento, no entanto algumas regras são bem diferentes, como a tributação, as taxas, e a modalidade.

É importante ressaltar que todas as organizações que trabalham com a previdência privada são fiscalizadas e regulamentadas pela Superintendência de Seguros Privados (Susep) e Superintendência Nacional de Previdência Complementar (Previc).

Outro ponto que deve ser esclarecido é que a previdência pública é obrigatória e a complementar é facultativa. Ou seja, quem trabalha não pode optar por querer ou não pagar aposentadoria INSS 2019, pois é obrigatório.

Como funciona?

Normalmente os planos de previdência privada se dividem em duas etapas. A primeira é a acumulação, que é o período onde os subsídios feitos são aplicados de acordo com as regras da seguradora, que tem o objetivo de aumentar o capital investido.

A segunda é o resgate, onde o valor acumulado pode ser resgatado integralmente ou em parcelas, após o período definido no contrato.

Muitas pessoas aderem a esse plano e começam a fazer aportes regulares para que o dinheiro comece a acumular e a crescer com os investimentos, como uma forma de “poupança forçada”.

No entanto, como as seguradoras usam o dinheiro para investir em produtos financeiros podem cobrar algumas taxas (muitas vezes abusivas) para realizar esse serviço.



Não existe uma idade mínima para aderir a um plano de previdência complementar. Mas, se o seu objetivo é fazer uma renda complementar para o seu futuro, o bom é começar o quanto antes.

É preciso estar atento, pois vários especialistas afirmam que a previdência privada é um investimento que não vale a pena por conta das altas taxas e a rentabilidade baixa. Sendo assim, você pode perder muito mais dinheiro e poder de compra do que imagina.

Por isso a dica é: sempre calcule a rentabilidade e dilua todos os custos que estão embutidos nela. Dessa forma você pode comparar os melhores tipos de investimentos.